9 ideias para economizar na decoração de Natal

POST_DEZEMBRO_-4.12

Postado Originalmente em financasfemininas.uol

 

O orçamento das famílias mais apertado, em função do ano de crise, vai deixar o Natal mais magro para grande parte das famílias brasileiras. Mas isso não significa que você precisa abrir mão de uma bela decoração para a sua casa. De forma criativa e arrojada, é possível criar, sem gastar muito, objetos de decoração que vão deixar seus convidados no clima deste feriado tão especial e também impressiona-los.

Veja como criar você mesma seus objetos de decoração e comece a colocar a mão na massa!

1. Árvore de natal de livros

Está sem dinheiro para comprar uma árvore de natal novinha e bem bonita, que a sua casa merece? Hora de desentulhar os seus livros das prateleiras e empilha-los em formato de árvore. Depois é só jogar um pisca pisca em volta, uma decoração no topo e pronto! Você conseguiu um visual bonito e diferente para sua casa.

 

2. Árvore de natal de rolhas

Outros objetos que você coleciona em casa também podem ser transformados em uma bela árvore de natal. Já pensou em usar aquelas rolhas de garrafas de vinho, por exemplo?

3. Guirlanda de rolhas

E estes objetos acabam sendo base também para guirlandas. As rolhas podem funcionar também penduradas na árvore de Natal com um laço vermelho para dar o toque final.

4. Guirlanda de balas

Para uma guirlanda de balas, como a foto, ou de algum outro material que você deseja elaborar, um do seus cabides de ferro pode ser a base, depois é só usar a criatividade!

5. Pisca pisca decorado

Se você cansou daquele seu antigo pisca pisca, não precisa comprar um novo! Recicle adicionando adereços a cada lâmpada, como estas bolinhas coloridas que ganham um clima ainda mais natalino se misturadas com glitter!

6. Pisca pisca na garrafa

Deixar o pisca pisca dentro de uma garrafa bem bonita que você tem guardada em casa também não é uma má ideia!

7. Decoração no saleiro de vidro

Um simples saleiro pode ganhar ar natalino com a adição de bonequinhos que ornam com o efeito de neve que o sal dentro do vidrinho vai ganhar. Use-o na decoração da sua mesa durante a ceia!

 

8. Sorvetinhos para a árvore de Natal

Para fazer jus ao clima quente do Natal brasileiro, sua árvore de Natal pode receber pequenos sorvetinhos como decoração.

9. Porta velas em copos de vidro

Depois de vazio, lave e guarde aqueles vidrinhos de molho de tomate ou de geleia para utilizá-los no Natal como porta velas e decorar a sua mesa. Viu como uma fitinha para um laço pode fazer toda a diferença?

 

Gostou? Deixe um comentário.f

Como usar o 13º com consciência

_POST_BLOG_25-11_15
Postado Originalmente em financasfemininas.uol – Por Aldo Pessagno – 24 de novembro de 2015

 

Fim de ano já está chegando e junto dele começam a florescer alguns temas na cabeça:férias, compras de natal, viagem de réveillon, etc… E de mãos dadas com essa anarquia degastos, o conforto de contar com o 13º para financiá-los.

O parágrafo acima parece trivial e o senso comum já nos diz que esse não é visto como o caminho certo, mas, mesmo assim muitos o seguem a risca sob os mantras “Eu mereço”, “Trabalhei o ano todo para tê-lo”…

Não estou afirmando que você não mereça férias, comprar presentes de natal ou viajar. A questão é que usar o 13º salário de maneira irracional (como acima) apenas lhe trará benefícios no curtíssimo prazo (o prazer do consumo imediato), enquanto o longo prazo é constantemente sacrificado.

O 13º salário não deve ser tratado como um “presente” de fim de ano que você recebe e que por isso tem o direito de gastar onde e como bem entender. Muito pelo contrário, o 13º faz parte de sua renda, ele compõe o seu salário e deve ser tratado como qual. A única diferença é que você o recebe de uma só vez (ou em duas parcelas, mas ambas muito próximas), e não dividido mês a mês como o restante do seu salário. Tratá-lo como algo “a parte” certamente fará você se desviar da melhor decisão financeira. Mas enfim, o que devo fazer com ele, então? Preparei abaixo um pequeno roteiro para ajudá-la:

1º Passo – Quite as dívidas

Fico surpreendido quando leio algum Blog ou artigo dando conselhos às pessoas no sentido de priorizarem o consumo em detrimento do acerto de seus passivos sob os argumentos apresentados no inicio do artigo. Dívidas têm custo, e um custo alto (exorbitante em alguns casos). Elas simplesmente protelam sua independência financeira.

É estranhamente comum pessoas com dinheiro aplicado na caderneta de poupança, mantendo concomitantemente dívidas de Cartão de crédito, cheque especial, etc. A conta não fecha. Você recebe 7,5% ao ano de um lado (rendimento da poupança nos últimos 12 meses) para pagar mais de 10% ao mês do outro em casos extremos (cheque especial e rotativo do cartão de crédito). É como correr de paraquedas: você pode até chegar lá, mas vai exigir um esforço descomunal.

Portanto, minha dica é: verifique suas dívidas. O primeiro passo é saber se elas são pagáveis, ou seja, se as parcelas cabem no seu orçamento. Nesse caso, procure seus credores, renegocie suas dívidas e só então comece a usar o 13º para quitar.

 

2º Passo – Reserva para despesas do início do ano

Depois de resolvidas dívidas passadas, hora de pensar de forma prospectiva. Assim como no fim do ano há um recebimento fora do padrão mensal, ao qual os brasileiros estão acostumados, no início de ano também temos de arcar com despesas relativas ao ano todo, mas que são desembolsadas no início. Estão entre as principais: IPTU, IPVA e Material escolar (tanto para as que tem filhos como as que estudam).

Então, porque não utilizar um recebimento fora do padrão mensal para pagamento de obrigações, também fora do mesmo padrão? Saber a data de ocorrência de suas despesas para o ano todo é tão importante quanto saber sua ocorrência em si. Saiba controlar seu fluxo de caixa.

3º Passo – Reserva de emergência

Dívidas quitadas e controladas; e despesas iminentes programadas, estamos prontos para dar um passo à frente. Agora, você já tem a base para montar uma reserva de emergência. Mas o que seria isso?

Uma reserva de emergência nada mais é do que uma aplicação que você mantém para fazer frente a desembolsos inesperados de caixa. Entre os principais: problemas de saúde, sinistro de veículo e perda de emprego.

Logo, o tamanho dessa reserva dependerá muito da sua recolocação no mercado de trabalho, podendo variar na média de 6 a 12 vezes suas despesas mensais.

E onde aplicar esse dinheiro? Como se trata de uma reserva de EMERGÊNCIA, a liquidez é fundamental, ou seja, esse dinheiro precisa estar sempre à mão, pois emergências são, por natureza, imprevisíveis. Logo, um Fundo DI com baixas taxas de administração (menos de 1% ao ano) ou CDBs com liquidez diária são recomendados.

 

4º Passo – Inicie os investimentos/Aposentadoria

Quitou as dívidas, programou-se para o que está por vir e já tem sua reserva de emergência estabelecida?  Agora posso gastar meu 13º com a consciência limpa? Ainda não!

Os três passos anteriores na verdade servem a diversos objetivos maiores. Mas gostaria de destacar um deles em especial: sua aposentadoria. Nós apenas criamos as bases necessárias para que o plano de aposentadoria fosse implementado. Sem os itens anteriores, o 4º passo já estaria fadado ao fracasso antes mesmo de ser concluído.

Logo, minha sugestão é que você procure o quanto antes um profissional da área para auxiliá-la em um plano de aposentaria. Um profissional competente certamente irá ajudá-la a ter uma aposentadoria digna e tranquila de acordo com seu padrão de vida.

Quer um presente melhor para você mesmo do que poder contar com uma maturidade tranquila?

Você deve estar se perguntando, se esse presente é tão bom assim, porque tão pouca adesão? Simples, pois se trata de um presente em que você paga antecipadamente por mais de 20 anos e só começa a desfrutá-lo depois desse período. Ao passo que comprar algum bem, ou fazer uma viagem o presente é desfrutado no mesmo momento, proporcionando o prazer imediato do consumo.

5º Passo – Pague a viagem de fim de ano!

Finalmente, depois de todas essas etapas superadas, você poderá gozar de seu 13º sem culpa alguma. Com o dinheiro em mãos, negociar uma viagem ou algum bem de seu interesse fica bem mais fácil. Fique sempre atenta aos seus programas de milhagens, pois condições bem interessantes podem aparecer no caminho.

Acredite, não há nada melhor do que curtir uma viagem sabendo que já está tudo pago e que não haverá nenhuma parcela depois disso. Fora isso, a viagem vai ter outro sabor, já que você cumpriu todos os passos anteriores de suas obrigações financeiras, limpando sua consciência. Em outras palavras, a mesma será vista como um prêmio pela sua disciplina financeira, e não como uma ilha de satisfação em meio a um oceano de descontrole financeiro. Disciplina é fundamental.

Em suma, seguindo esses passos, acredito que você estará fazendo o uso consciente do 13º salário. O caminho é difícil e exige uma dose de sacrifício da sua parte. Dependendo do caso, a situação pode ser tão crítica, a ponto de levar alguns anos até se chegar no ultimo passo, que pode acabar desestimulando a disciplina. Para evitar isso, que certamente seria a pior decisão (o abandono completo do plano), proponho um meio termo: ao invés de usar 100% de seu 13º salário para seguir o roteiro acima, use, digamos, 70% e destine os outros 30% para viajar, descansar ou fazer compras. Financeiramente pode não ser a decisão ideal, mas sabemos que, assim como ocorre com dietas radicais, quando um plano financeiro é muito rígido, a chance de desistência é alta. E não é isso que queremos.

6 dicas para conviver com a alta da inflação

POST_NOVEMBRO_17.11

Postado Originalmente em finançasforever

Estamos vivendo em um cenário de economia instável e a inflação, devido a vários fatores, está em crescimento. Além do alarmado aumento da gasolina, a energia elétrica, a tarifa de ônibus e a cotação do dólar também subiram. Com a alta da inflação, os preços aumentam e quem paga a conta é, literalmente, o consumidor final, que vê seu dinheiro cada vez mais desvalorizado e com poder de compra cada vez menor.

Como fazer para amenizar esta situação? A melhor saída é rever seus gastos, mudar seus hábitos e cortar custos. Listamos algumas dicas pra você aprender a conviver com a alta da inflação, confira:

Mudança de hábitos

Este é o primeiro passo para atravessar os tempos de crise de maneira mais tranquila. Mude os hábitos, reveja seus gastos e veja o que é realmente importante a ser adquirido. Avalie a real necessidade e analise se comprar aquele item ou serviço que você deseja pode ser adiado e, se for possível, faça isso.

Pesquisa de preços

Se o produto a ser consumido é o mesmo, pesquise o preço dele em vários fornecedores. Fornecedores que possuem maior volume de compra podem oferecer preços menores, e fornecedores que possuem grande número do produto em estoque podem oferecer promoções.

Teste novas marcas

Se você está acostumada com uma determinada marca mas existem outras marcas que oferecem o mesmo produto por um preço menor, é hora de experimentar. Aproveite o momento para conhecer novas marcas e você verá a diferença no seu bolso.

Controle os gastos

Ter controle e conhecer bem sua situação financeira é a melhor maneira de encontrar boas soluções para poupar. Saiba exatamente quais são os seus gastos fixos e tenha uma média dos variáveis. Uma boa tática é anotar seus gastos diários, desta forma ficará mais fácil saber o que é essencial e o que é supérfluo, o que pode ser cortado ou ficar em suspenso por um tempo. Você pode fazer isto de maneira fácil utilizando um gerenciador financeiro. Clique aqui e saiba mais.

Mão na massa

Algumas atitudes práticas no dia a dia podem ser muito eficientes na hora de cortar os gastos. Veja abaixo:

Apague as luzes

A energia elétrica está cada vez mais alta e, por isso, economizar é essencial para evitar gastos desnecessários. Acendeu a luz da sala e vai pra outro cômodo? Apague a luz, mesmo que você vá voltar para sala em poucos instantes. Não deixe a televisão ligada para as paredes enquanto você fala no telefone, desligue o computador quando não estiver usando e lembre-se de retirar carregadores de bateria das tomadas.

Dispense a faxineira

Avalie se é mesmo preciso ter faxineiras ou diaristas em sua casa. Se possível, reduza o número de vezes que ela trabalha em sua casa e faça você mesmo uma boa faxina. Se você não tem tempo para uma limpeza geral, organize-se para não deixar a bagunça e a sujeira acumularem. Se sujou, limpe, se tirou do lugar, guarde. Com essa mudança simples você já economizará bastante.

Seja você o mestre cuca

Os amantes de uma boa gastronomia adoram conhecer bons restaurantes e chefs renomados, mas tudo isso tem um preço — bem alto, na maioria das vezes. Sair sempre para comer em bons restaurantes pode contribuir pra te deixar no vermelho no final do mês.

Que tal deixar os restaurantes de lado e aprender a cozinhar? Reunir os amigos para compartilhar um prato feito por você pode ser uma experiência muito agradável, além de ser bem econômica! Cozinhar em casa fica muito mais em conta do que comer fora, além de ser uma atividade divertida e prazerosa.

Pechinche quando der

Todo produtor conhece a margem de lucro de cada produto que comercializa. Da mesma forma, ele também sabe até que ponto pode e se é possível abaixar o preço. Pechinche sempre que for possível. Peça descontos, avalie a forma de pagamento e veja seu planejamento. Não é vergonha nenhuma pedir descontos e você pode se surpreender e conseguir um preço melhor do que o anunciado.

Cortar gastos, mudar os hábitos e pesquisar preços são as melhores maneiras de driblar a inflação e manter as finanças saudáveis no final de cada mês.

E você, o que tem feito para economizar e conviver com a alta inflação? Compartilhe suas dicas nos comentários!

Acesso Tutorial – Como carregar os cartões Acesso com código promocional

 

É muito fácil carregar seu cartão Acesso. Veja como abaixo:
 

1.Entre no Minha Conta com seu CPF e senha do site
MinhaConta_CodigoPromocional3

 

1.Clique em Carregar  |  2.Depois clique em Meus Cartões
MinhaConta_CodigoPromocional4

3.Preencha o valor da recarga |  4. Clique em “Não sou um robô” 

5. Caso você tenha o código promocional, preencha esse campo
(Se não houver código promocional,  não é obrigatório preencher o campo)

6. Clique em Carregar Cartões

MinhaConta_CodigoPromocional5

* – Tarifa de Carga com o código promocional

7. Escolha a forma de pagamento

8. Clique em Finalizar e boas compras! 

MinhaConta_CodigoPromocional6

Clique abaixo e faça sua primeira recarga:
btn_comprar       btn_comprar

 

 

 

 

Especialista conta onde e quanto investir por mês para ser um milionário aos 50

_POST_BLOG_30-10_15

Postado originalmente em economia.uol

SÃO PAULO – Ter R$ 1 milhão na conta é o sonho de muitas pessoas. Afinal, essa quantia de dinheiro pode fazer com que se tenha uma segurança financeira maior. No entanto, como conseguir atingir essa meta?

O assessor de investimentos da Atlas Invest Max Scatimburgo explica quanto e onde investir para ter R$ 1 milhão com 50 anos de idade.

O especialista sugere que o investidor busque uma carteira diversificada, para aproveitar boas oportunidades e ganhar mais dinheiro.

“Neste cenário de longo prazo e grande acumulação, a diversificação da carteira é muito importante para diluirmos o risco”, diz.

Quatro passos

“No primeiro ano, o ideal é buscar a segurança de bons fundos DI e também aproveitar a alta nas taxas do Tesouro IPCA+, que está em cerca de 7% mais IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo)”, explica o especialista.

“A partir do segundo ano, podemos aproveitar o maior volume e começar a diversificar buscando produtos isentos, como as LCI e LCA. A rentabilidade do portfólio subirá”, diz.

“Em um terceiro momento, a diversificação deverá seguir no sentido de fundos multimercados que conseguirão captar, no longo prazo, diferentes direções do mercado”, afirma Max.

“E, é claro, essa carteira não poderá deixar a renda variável de fora. Por se tratar de longo prazo, benefícios desse investimento, como dividendos, fazem parte do caminho para o sucesso. Uma boa análise das empresas e do cenário pela qual passam no momento é parte do processo de seleção.”

“Isso deverá continuar em um próximo passo, muito interessante, que é a internacionalização, buscando investir fora do país por meio das BDRs, ações de empresas estrangeiras negociadas na Bovespa”, explica o especialista.

Max estima um CDI (Certificado de Depósito Interbancário) de 12% ao ano e uma inflação de 5% ao ano, o que totaliza uma rentabilidade potencial real (descontada a inflação) de 0,57% ao mês para a carteira de investimentos e 0,17% ao mês para a poupança.

Quanto poupar por mês?

Assim, quem começar a investir aos 20 anos, precisa poupar R$ 850,29 por mês para chegar milionário aos 50.

Já quem começar aos 25 anos precisa investir R$ 1.269,89 por mês.

Quem começar aos 30 precisará poupar R$ 1.959,22.

“Quanto antes começarmos nossa caminhada, menos brusca poderá ser a subida”, conclui o especialista.

O economista e professor da FGV-RJ Luís Carlos Ewald, também conhecido como Sr. Dinheiro, dá dez dicas simples e bem-humoradas para melhorar a sua vida financeira.

1) Qual a melhor forma de se poupar dinheiro atualmente?

A melhor forma de poupar é pagar o dízimo para nós mesmos. Pense assim: eu sou pastor e tenho uma igreja, a Igreja Financeira dos Juros dos Últimos Dias. Todo mês, quando cai o salário, já retiro 10% do valor e deposito numa caderneta de poupança.

Desse modo, a pessoa vai juntar dinheiro até conseguir investir em algo que dê mais rentabilidade. Caderneta de poupança não é para ficar rico: ninguém fica rico desse jeito. A renda fixa serve para juntar dinheiro.

Quando falamos de quantias pequenas, não acho que faça muita diferença guardar o dinheiro em um CDB, ou fundo, ou no Tesouro Direto. Todas essas alternativas dão mais trabalho do que a caderneta de poupança, que é mais fácil para o pequeno investidor, pois ele não tem que entrar em computador, ele pode mudar de banco na hora em que quiser, todo mundo conhece a regra. Mas, claro, rende uma “merreca”. Para ganhar dinheiro, tem que investir no mercado de ações na hora certa. Não tem outro jeito.

2) E para quem quer comprar a primeira casa, quais as dicas?

A principal é para que se faça uma pesquisa muito grande do preço à vista para pagar o mais barato possível. Se precisar de financiamento, financie pelo menor valor, pelo menor tempo possível. De preferência, não ultrapasse 15 anos de financiamento. Trinta anos de financiamento são um crime, uma armadilha para as pessoas, que vão comprometer boa parte da renda por um período muito grande de tempo.

Mas, se obtiver um financiamento nos moldes do programa do governo Minha Casa, Minha Vida, vale a pena financiar, pois a taxa de juros é subsidiada. Fora esse caso, a dica é esperar para comprar, porque o mercado imobiliário está começando a entrar em crise, e a bolha vai estourar, ou seja, os preços vão cair.

3) Qual o seu conselho para quem pretende financiar a compra de um carro?

Eu diria para não financiar nada. Diria até que não vale a pena comprar um carro se você percorre menos de 60 km por dia todos os dias em São Paulo, por exemplo. Nesse caso, é melhor andar de táxi.

Em três anos, um automóvel perde 40% do seu valor. Além disso, carro tem custos altos: IPVA, estacionamento, seguro, multa, manutenção, combustível. O pior é a depreciação. Um carro de R$ 25 mil, por exemplo, em três anos vale R$ 10 mil a menos. Some a isso todos os gastos, e veja quanto gastou por dia, ou quanto perdeu por não manter o dinheiro num investimento.

Mas se, ainda assim, quiser comprar o veículo, melhor comprar à vista ou financiar pelo menor tempo possível para pagar menos juros.

4) Qual a melhor escolha na taxa de juros: a pré ou a pós-fixada?

No momento é a pós-fixada, já que a taxa Selic (principal taxa de juros da economia, que norteia todos os contratos) está com tendência de alta.

5) Como fazer um bom orçamento doméstico?

Anotando todas as despesas para ver o que é supérfluo e o que não é, e tratar de gastar menos do que se ganha, poupando pelo menos 10% da renda. Se você gasta muito com cafezinho em padaria, por exemplo, tem que anotar esse custo também. Tem que anotar tudo, para saber por onde seu dinheiro está escapando.

6) Quais as dicas para não gastar demais na hora das compras?

Não levar cartão de crédito, nem cheque, nem carteira de identidade, para não cair na tentação de fazer um financiamento. Vai com uma nota de R$ 100 que ninguém troca. Lembre-se: toda dieta é boa desde que seja feita.

7) Qual é a proporção ideal de salário para economizar?

Dez por cento é uma boa proporção, é um dízimo para nós mesmos. Separe os 10% para poupar assim que cair o salário, para não ter tempo de gastar.

8) Como saber quais são as despesas que podemos cortar?

Tudo o que for supérfluo e que seja passível de cortar ou mudar de fornecedor. Aluguel, prestação de serviços, mensalidade escolar, tudo é passível de mudança. Há escolas que dão grandes descontos para quem paga antecipado, de 20% a 30% do valor.

Só não dá para deixar de comer, de ter gastos com alimentação. Mas dá para deixar de ir a restaurantes, por exemplo.

9) Vale mais a pena morar de aluguel a comprar uma casa?

Sim, principalmente agora que o valor do aluguel está em torno de 0,3% do valor do imóvel. Se for alugar, pechinche bastante. Se a intenção é comprar a casa própria, vá economizando durante esse tempo [enquanto mora no imóvel alugado], junte dinheiro para dar uma boa entrada na casa própria e financiar por menos tempo.

10) Investir em ações é algo muito arriscado ou todos deveriam investir uma parcela do seu patrimônio nesse tipo de investimento para o futuro?

Ações representam empresas, e empresas são as que mais ganham sempre. Se você souber ser um bom empreendedor, você vai ganhar bem. As empresas comações em Bolsa normalmente são negócios bem administrados. Se quiser investir em ações, peça informações, acompanhe o mercado aos poucos. No momento, está uma maravilha para comprar porque as ações estão em baixa. Esta é a hora de comprar.

Por que o cheque especial está mais perigoso do que nunca

_POST_BLOG_28-10_15

Postado Originalmente em exame – por Gustavo Santos Ferreira

São Paulo – Você já deve ter ouvido falar e, se não ouviu, já sentiu no bolso: a crise econômica do Brasil é grave. De um lado, sobem o desemprego e a inflação. De outro, caem o PIB, os investimentos no país… E no meio disso tudo está lá você, tentando se segurar com pode.

Se você for patrão – e se é que conseguiu não demitir ninguém ainda –, está cortando um dobrado para fechar a folha de pagamentos. Isso, sem conseguir vender e gastando cada vez mais para produzir. Agora, se você for empregado, o poder de compra de seu salário está mais baixo, corroído pela alta generalizada dos preços.

Seja empresário ou funcionário, mesmo metido nesta encalacrada atual pode haver motivos para comemorar. Isso, no caso de você não ter feito dívidas nos últimos tempos. Em caso contrário… Calma lá também, sem desespero. Há, sim, uma saída para a sua insônia, que passa bem longe de tomar uma cartela inteira de dramin.

Por mais contraditório que pareça, o remédio para sua falta de sono pode ser fazer outra dívida. Por favor, não vá sair por aí pegando dinheiro a qualquer custo.

Não se trata disso. Mas o conselho que qualquer financista daria, fosse qual fosse a situação econômica do país, segue valendo nestes tempos de estremecimento: troque sua dívida antiga por uma nova, com prazos e taxas que caibam no seu bolso. E, claro, fuja do cheque especial.

Por quê?

Linhas de crédito pré-aprovadas, como o especial, surgem nos instantes de apuros como a última das maravilhas. Você nem mesmo precisa procurar pelo banco para conseguir uma graninha a mais, não é? Pois é, mas o especial também pode enfiar você numa espiral de endividamento assustadora.

Seus juros estão na casa dos 400% ao ano (sim, quatrocentos!). Nesta época, de juros básicos nas alturas, essa conta pode se tornar ainda mais incalculável em breve.

O crédito consignado, aquele descontado no holerite, sabe? Essa é a solução perfeita para o trabalhador negociar sua dívida com o banco. Oferece taxas mais baixas e prazos mais longos de parcelamento.

Já aos empresários, existe, por exemplo, a opção de oferecer algum bem como garantia. Como a instituição financeira vai se sentir mais segura em relação a um possível calote, ela pode topar baixar custos e alongar prazos.

Todas as outras linhas de crédito também são menos pesadas que o especial (que, de especial, tem só o nome).

Não existe mágica, leitora e leitor: em geral, quanto mais fácil for fazer o empréstimo hoje, mais caro ele será amanhã. Procurar pelo gerente do banco vai tomar mais do seu tempo? Sim. Você poderia fazer coisas muito mais agradáveis em vez de passar um tempão numa agência? Claro. A aprovação do empréstimo não será imediata? Provavelmente.

Agora, deixar de pedir ajuda a um profissional que (na teoria) tem maior capacidade de fazer sua dívida caber no seu bolso pode ter um preço muito cruel. Para a sua família, para os seus negócios e para as suas noites de sono.

Um jeito fácil de gastar menos dinheiro com seu banco

_POST_BLOG_27-10_15
Postado originalmente em exame – por Priscila Yazbek, de EXAME.com

 

São Paulo — Em tempos de contenção de gastos, uma boa dica para manter oorçamento no azul é observar os produtos e serviços cujos preços estão subindo em uma velocidade maior do que a inflação e que podem ser eliminados sem sofrimento. Um tipo de despesa que preenche em cheio esses dois requisitos é a tarifa bancária.

De acordo com um levantamento realizado pela associação de consumidoresProteste, entre janeiro de 2013 e agosto de 2015, as tarifas cobradas pelos oito maiores bancos do país subiram, em média, 169%, ou 8,6 vezes mais do que a inflação medida pelo IPCA, que subiu 19,63% no mesmo período.

A boa notícia é que as tarifas podem variar muito de acordo com o banco e até dentro de uma mesma instituição. Portanto, uma pesquisa rápida sobre ospreços cobrados pode ser o suficiente para gerar uma boa economia.

 

A comparação entre as tarifas pode ser feita facilmente pelo site Febraban Star, uma página criada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) especialmente para mostrar as tarifas cobradas pelos bancos em diferentes tipos de serviços.

Para realizar a pesquisa, basta acessar o site e clicar em “Consultar tarifas por instituição”, ou “Consultar tarifas entre instituições”. Na página que se abrirá em seguida, o usuário deve selecionar os bancos que deseja consultar e o serviço pesquisado e então as tarifas cobradas são apresentadas.

Ao pesquisar, por exemplo, as anuidades cobradas nos cartões de crédito entre Bradesco, Banco do Brasil, Caixa, Citibank, Itaú e Santander, a ferramenta mostra que a Caixa cobra o valor mais baixo, de 45 reais, e o Itaú tem a anuidade mais cara, de 70 reais.

Os valores mostrados são sempre referentes aos serviços mais básicos oferecidos pelos bancos, que são aqueles usados com mais frequência pelos clientes.

Pacotes de serviços

O site Febraban Star também permite pesquisar as tarifas cobradas por cada banco nos pacotes de tarifas padronizados. De acordo com norma do Banco Central, os bancos são obrigados a oferecer quatro tipos de pacotes de serviços bancários (I, II, III e IV), que devem oferecer os mesmos serviços e na mesma quantidade, mas cada instituição é livre para cobrar a tarifa que quiser por cada pacote.

Como os pacotes de mesma numeração incluem exatamente os mesmos produtos, a comparação de preços fica mais fácil e evidencia quais instituições estão cobrando valores mais altos.

Para comparar os preços de cada um deles entre diferentes bancos, basta clicar em “Pacotes Padronizados do Banco Central”, na página inicial do Febraban Star.

Além de facilitar a comparação, os pacotes podem sair mais em conta do que a contratação avulsa dos serviços. Por isso, vale a pena observar se algum deles combina com seu perfil de uso e se a sua contratação pode gerar economias.

Veja quais serviços são incluídos em cada um dos pacotes.

Opções gratuitas

Além dos pacotes padronizados, os bancos são obrigados a oferecer, sem qualquer cobrança, os chamados serviços essenciais, que são: um cartão de débito; dez folhas de cheques por mês; segunda via do cartão de débito; até quatro saques por mês; consultas pela internet; duas transferências por mês entre contas na própria instituição; e compensação de cheque.

Ainda que esses serviços gratuitos sejam uma ótima saída para gastar menos dinheiro, os clientes costumam enfrentar dificuldades para contratá-los. Segundo a Proteste, além de omitir a existência dessas opções de serviços gratuitas, alguns bancos se recusam a oferecê-las mesmo após a solicitação do cliente.

Nesse caso, a Proteste recomenda que o consumidor busque a ouvidoria do banco para resolver a questão e, caso o problema não seja resolvido, a orientação é buscar os órgãos de defesa do consumidor e o Banco Central para registrar a reclamação.

Outra opção ainda é a conta digital, que também é regulamentada pelo Banco Central. Nessa conta não há a cobrança de tarifas por transferências e pelo envio de extratos, desde que essas operações sejam realizadas pelo caixa eletrônico ou internet banking (veja algumas opções de contas digitais).

Como regularizar ou renegociar suas dívidas e limpar um “nome sujo”?

_POST_BLOG_26-10_15
Postado originalmente por economia.uol – por Marcelo Justo/Folhapress

 

Quando alguém tem uma dívida com uma empresa, esta pode informar a Serasa ou a Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) sobre a pendência.

Mas antes de ficar com o “nome sujo”, o cliente recebe uma carta da empresa informando que, por causa da dívida, seu nome poderá entrar para a lista de inadimplentes, se não efetuar o pagamento no prazo informado.

Assim que recebem o apontamento da dívida, a Serasa Experian, a Boa Vista SCPC enviam uma correspondência (aviso de débito) para esse consumidor, informando que seu nome será incluído no cadastro de inadimplentes, num prazo de 10 (dez) dias, caso o consumidor não quite esse débito.

Segundo o Procon-SP, as empresas podem pedir que nessa carta as empresas dêem um prazo para que seja paga a dívida. Mas elas não são obrigadas a fazer isso, pois a dívida já está vencida.

Se a data de vencimento é no dia 10, no dia 11 a empresa já poderia solicitar a inclusão do nome do devedor no cadastro dessas instituições, diz o Procon.

Depois que o consumidor regulariza sua situação, a empresa credora tem cinco dias úteis para informar a Serasa ou a Boa Vista SCPC  (ou as duas entidades, se for esse o caso), que retiram o nome da lista.

Isso é válido mesmo para os casos em que a pessoa renegocia a dívida para pagá-la de forma parcelada.

Onde consultar se o nome está limpo

Consulta à Boa Vista SCPC

O Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) é um serviço administrado atualmente pela Boa Vista Serviços. A empresa possui postos de atendimento em São Paulo nos bairros de Santo Amaro, Centro, Penha e São Miguel. Os endereços e horários de atendimento podem ser consultados no site.

Na página da empresa é possível também checar o seu CPF (link: http://zip.net/bprRfZ) e encontrar dicas (link:http://zip.net/bkrQzy) sobre como manter suas finanças em ordem.

A Boa Vista SCPC oferece, gratuitamente, o SOS Cheques e Documentos, espaço onde é possível informar o roubo, perda e furto de cheques (link: http://zip.net/bkrQyP). Há também como registrar um alerta na Central de Atendimento das 8h às 20h pelo telefone 0800-0111522.

Quando o cliente quer saber se seu nome está na lista da Boa Vista SCPC, pode fazer a consulta pela internet, por meio do Portal Consumidor Positivowww.consumidorpositivo.com.br ou pessoalmente em um dos postos de atendimento (link: http://zip.net/blrPWC).

A consulta online é totalmente gratuita, feita pelo próprio consumidor, bastando confirmar um cadastro simples.

Consulta à Serasa Experian

Quando o cliente quer saber se seu nome está na lista da Serasa, ele pode fazer isso pessoalmente. Os documentos necessários são CPF e um dos seguintes documentos: RG, carteira profissional ou Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Para que outra pessoa consulte, deve ser feita uma procuração com firma reconhecida. Na procuração o consumidor deve colocar seu nome e escrever: “Outorgo poderes para que… (nome de quem irá fazer a consulta) analise meu cadastro”.

O documento deve ser assinado e levado a um cartório para reconhecimento de firma.

Para descobrir endereços da Serasa, horários de funcionamento ou tirar outras dúvidas (exceto consulta) deve-se ligar para (11) 3373-7272. Esse serviço funciona todos os dias da semana, inclusive feriados, 24 horas. Os endereços também estão disponíveis no site da entidade (link: http://zip.net/bnrQFG)

Na página da Serasa, é possível ainda se informar sobre como proceder para acertar sua situação quanto a dívidas (link: http://zip.net/bqrRpJ).

Situações que podem deixar o “nome sujo”

Cheques sem Fundo

O consumidor entra para o Cadastro de Emitentes de Cheque sem Fundo (CCF) se tiver o mesmo cheque devolvido duas vezes pelo banco. Depois da segunda devolução, o banco pede ao Banco Central a inclusão do nome no CCF.

Para saber se o nome está no CCF, o consumidor pode pedir a consulta gratuita em qualquer instituição financeira ou em um dos endereços do Banco Central (link: http://zip.net/bbrQwT).

O primeiro passo nesse caso é procurar a pessoa ou a empresa para quem foi passado o cheque e pagar a dívida.

Feito isso, junto com o credor ou a empresa, deve ser preparado um recibo do pagamento. Ele é a garantia de que a dívida foi paga.

No documento, deve constar a data em que foi feito o pagamento, seu valor, número do cheque, nome, RG, CPF e assinatura do credor.

Com o cheque e o recibo em mãos, o cliente também deve ir até seu banco e pagar as taxas pendentes com a instituição (os bancos podem cobrar tarifas pela devolução de cada cheque, pela inclusão e exclusão do CCF).

Mais uma vez, deve-se exigir um recibo do banco pelo pagamento. Feito isso, há um prazo de cinco dias úteis para que o banco peça à Serasa ou à Boa Vista SCPC que o nome seja retirado do cadastro.

Para saber mais informações sobre o CCF, veja as explicações do Banco Central neste link: http://zip.net/bqrRpT.

Carnê de loja atrasado

Após pagar ou renegociar a dívida com a loja, a empresa tem cinco dias úteis para solicitar à Boa Vista SCPC ou à Serasa que tire o nome da pessoa da lista de inadimplentes. É importante exigir um recibo de que a dívida foi acertada.

Na renegociação com a loja, é cobrada uma multa de 2% em relação ao total da dívida e juros de 1% por mês de atraso.

Cartão de crédito

Depois de paga ou renegociada a dívida, a instituição financeira tem cinco dias úteis para notificar a Boa Vista SCPC ou a Serasa para retirar o nome da pessoa da lista de inadimplentes.

Também é importante obter um recibo para provar que a dívida foi paga.

Na renegociação, as instituições financeiras cobram multa de 2% em relação ao total da dívida e juros ao mês que não precisam respeitar um limite.

Mesmo assim, se o cliente considerar que a taxa cobrada está sendo abusiva deve procurar o Procon para orientação, informa o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor).

Empréstimo de financeira

Feito o pagamento ou acertada uma renegociação da dívida, a instituição financeira tem cinco dias úteis para informar a Boa Vista SCPC ou a Serasa, de modo a tirar o nome da pessoa da lista de inadimplentes.

É importante exigir um recibo de que a dívida foi acertada.

Na renegociação, as instituições financeiras cobram multa de 2% em relação ao total da dívida e juros ao mês que não precisam respeitar um limite.

Quando o consumidor tiver qualquer dúvida sobre a cobrança ou sentir que ela é abusiva, deve procurar o Procon.

Título protestado

Os cheques e as notas promissórias (documento que tem aparência de cheque, mas não é de banco, firmado entre devedor e credor) são títulos que podem ser protestados.

Nesse caso, quando recebe o protesto, o cartório envia uma carta para a pessoa, informando que ela tem 48 horas para regularizar sua dívida.

Se o consumidor não paga, o cartório pode solicitar à Serasa ou à Boa Vista SCPC que inclua seu nome no cadastro de inadimplentes.

O primeiro passo nesse caso é ir até o cartório para consultar quem registrou o protesto. Depois, deve-se procurar a pessoa (credor) ou a empresa que está com o cheque ou a nota promissória e pagar a dívida com ela.

Feito isso, junto com o credor, deve ser preparado um recibo do pagamento. Ele é a garantia de que a dívida foi paga. Nele deve constar a data em que foi paga a dívida, seu valor, o número do cheque (se for o caso), nome, RG, CPF e assinatura do credor.

Com o recibo e o cheque ou a nota promissória em mãos, o consumidor deve ir até o cartório e pagar uma taxa (que é proporcional a sua dívida) para retirar o protesto.

O cartório tem cinco dias úteis para informar a Boa Vista SCPC ou a Serasa, pedindo a retirada do nome da lista de inadimplentes.

Ação judicial

Neste caso, a pessoa ou a empresa que tem direito a receber entra na Justiça para cobrar a dívida. O devedor é notificado por correio ou oficial de Justiça sobre a ação.

Para suspender o processo, o devedor deve procurar o credor ou a empresa para renegociar o pagamento da dívida.

Nesse caso, é necessário contratar um advogado para elaborar um documento em que o credor confirma que a dívida foi paga ou renegociada. Dessa forma, o processo pode ser suspenso.

Mesmo assim, o nome não sai do cadastro da Boa Vista SCPC ou da Serasa enquanto o prazo que o credor tem para cobrar a dívida não termina (cada dívida tem um prazo, especificado por lei, para ser cobrada).

Se o prazo para cobrança da dívida for de quatro anos, mesmo suspendido o processo, o nome continuará “sujo” por esse período.

Dívida vencida

Quando o nome de um devedor entra no cadastro da Boa Vista SCPC ou da Serasa, após cinco anos, o nome sai automaticamente da lista. Se isso não acontecer, a pessoa pode reclamar no Procon.

A retirada do nome do cadastro não significa, no entanto, que não é preciso mais pagá-la. O devedor continua sujeito a processos.

Fontes

Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito)

Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor)

Procon-SP (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor – São Paulo)

Serasa Experian

Saiba como garantir uma renda extra para a aposentadoria

 

_POST_BLOG_21-10_15Postado Originalmente em financasfemininas

Você já tem algum tipo de estratégia traçada para sua aposentadoria? Se tem filhos ou netos, pensa em criar alguma aplicação que possa ajudar a garantir o futuro deles? Conversamos com o professor de economia do IBE-FGV, Mucio Zacharias, para analisar algumas possibilidades de aumentar e proteger o patrimônio. Na visão dele, uma boa alternativa seria aplicar em uma combinação entre VGBL e títulos públicos.

VGBL

Na visão do especialista, é a opção mais indicada para quem tem um objetivo grande e de longo prazo. Para quem teve um filho recentemente e pensa em gerar um plano no qual ele tenha a possibilidade de resgatar parcelas mensais no futuro – para pagamento das parcelas da faculdade, por exemplo – um plano de VGBL com imposto de renda progressivo seria o mais indicado.

“No caso da tabela progressiva, se a pessoa optar por resgatar todo o dinheiro investido de uma só vez, a cobrança de Imposto de Renda é alta e o investimento fica pouco atrativo. Mas é possível fazer resgates parciais, dentro da faixa de isenção”, comenta. Ou seja, se o beneficiado por este fundo criado precisar resgatar parcelas de até R$ 1.710, não terá cobrança de Imposto de Renda, pois esta é a faixa de isenção vigente. No futuro, quem for usufruir dos bens precisará ter o cuidado de não retirar parcelas que superem o valor da tabela de isenção de Imposto de Renda.

Tempo de investimento e cuidados para investir

Se estamos falando de complemento para a aposentadoria ou formação de patrimônio para auxiliar os filhos, é preciso ter em vista que o dinheiro aplicado aqui é para o longo prazo. Algo para ser usado, por exemplo, daqui a 20 anos. “A pessoa que faz um VGBL precisa entender que não é uma aplicação simples, não dá para simplesmente retirar o dinheiro a qualquer momento. O objetivo é deixar guardado e poupar para o futuro”, comenta.

Além da disponibilidade para investir a longo prazo, ele recomenda uma boa pesquisa para evitar que taxas abusivas tornem o investimento desvantajoso.  “O ideal é ter um retorno de 4% a 5% ao ano, com taxas negociadas”, avalia. Segundo o especialista, os bancos têm ciência do interesse das pessoas em fazer planos de aposentadoria privada, por isso muitas vezes cobram taxas abusivas. Na hora de fazer a pesquisa, a atenção maior deve ser para a taxa de administração e a de carregamento. Se você opta por exemplo, por um banco que cobra 5% em taxas, a cada R$ 100 que investe, R$ 5 fica para o banco. A longo prazo, isso é muita coisa.

Em contrapartida, se muitos bancos oferecem opções de planos de previdência privada, isso significa que a concorrência é forte, ou seja, há espaço para negociação. Sendo assim, não hesite em barganhar antes de assinar qualquer papel. Algumas instituições, por exemplo, dão isenção total da taxa de carregamento.

Títulos públicos

Os títulos públicos são uma boa opção porque são investimentos em renda fixa, ou seja, possuem baixo risco e estão disponíveis com datas de vencimento bem variadas, justamente visando diferentes tipos de objetivo. Para quem deseja formar uma aposentadoria ou complemento de renda no futuro, o especialista indica aqueles com vencimento daqui a 20 anos, por exemplo. A investimento rende durante todo o tempo da aplicação e, se for do interesse da investidora, o resgate pode ser feito somente no vencimento, visando uma rentabilidade melhor.

Para se ter uma ideia, enquanto o VGBL pode pagar de 4% a 5% ao ano, existem títulos públicos que corrigem a inflação e ainda pagam 6,5% ao ano.

5 projetos incríveis que provam que é sempre possível ser mais sustentável

_POST_BLOG_21-10_15Postado originalmente por hypeness

A sustentabilidade pode ser aplicada em praticamente todos os nossos atos. Pode ser uma coisa simples, que faça a diferença apenas para uma pequena comunidade, ou podem ser grandes gestos, que mudem a vida de muita gente. O importante é colocar essas ideias em prática. Por isso, separamos 5 projetos que mostram como é possível ser mais sustentável. Vem conhecer!

1. Case para celular sustentável

Se você é daqueles que gosta de trocar sempre o case do seu celular, agora já pode fazer isso de maneira ecológica, enquanto ajuda a Mata Atlântica. É o projeto Latitude, criado pela Timberland, que produziu 500 cases de celular exclusivos, feitos com madeira de reuso.

Parte do valor arrecadado com a venda do produto será usada para plantar novas árvores na região de São Carlos, no interior de São Paulo. Além de lindo, o material vem com as coordenadas geográficas indicando o local exato da árvore que você ajudou a plantar.

Foto: Divulgação.

2. Papel semente

Cansado de ver papel ser colocado fora livremente? A empresa Papel Semente criou um negócio sustentável, com foco na preservação da natureza e no fortalecimento social, que promete combater esse problema.

Se trata da produção de um papel artesanal e ecológico que recebe sementes de diversas flores em seu processo de fabricação. Assim, depois de usado, o papel pode ser plantado. Entre as sementes disponíveis estão: agrião, manjericão, rúcula, salsinha e até o angico-vermelho, árvore típica da Mata Atlântica.

22

Foto: Divulgação.

3. Tinta que gera energia

A captação de energia solar ainda é um grande desafio. Mas um material sustentável pode ajudar a popularizar o uso dessas energias limpas em breve. É uma tinta orgânica capaz de transformar energia solar em energia elétrica. Por ser mais maleável, ela pode ser aplicada nas mais diversas superfícies (de mochilas a fachadas de prédios). Aqui no Brasil, os responsáveis pelo material são os pesquisadores da CSEM Brasil.

Foto via

4. Projeto Reservalores

A ideia aqui é fazer a limpeza progressiva do mar e da areia na Reserva Ecológica Marapendi, no Recreio dos Bandeirantes. Para que isso seja possível, foram planejadas diversas ações, como a coleta manual do lixo e a produção de materiais de conscientização sobre a preservação do local. A iniciativa é da ONG Guardiões da Mata Atlântica.

Foto: Divulgação.

5. Trocando estilingues por kits escolares

Para as crianças que viviam na zona rural de Capela, em Sergipe, era comum associar os pássaros que vivem na Mata Atlântica típica da região ao uso de estilingues e gaiolas. Mas um projeto inovador da Escola Municipal Rural Lagoa Seca mudou essa realidade: no local, as crianças podem trocar estilingues e gaiolas por cadernos e livros escolares.

A iniciativa acontece em conjunto com o Curso de Observação de Aves de Mata Atlântica, que levou os jovens para observar os animais e aprender mais sobre eles na Mata do Junco – área hoje protegida pelos estudantes.

Foto: Paulo Tim Tim/Semarh.

Além das iniciativas acima, também há muitas outras pessoas e projetos por aí buscando oferecer alternativas mais sustentáveis, aprimorando nosso estilo e qualidade de vida. É possível conferir algumas destas ideias inovadoras e ecológicas através da campanha Espécies da Mata Atlântica, criada pela Fundação SOS Mata Atlântica.

No site do projeto, você encontra diversas histórias reais de pessoas que se mobilizam a favor da preservação do meio ambiente, como a Carolina e a Cecília, do Movimento Boa Praça, que leva piqueniques comunitários a diferentes praças de São Paulo, estimulando as pessoas a se relacionar melhor com o entorno.

Confere só:

O mais legal é que qualquer um pode participar também compartilhando a sua própria história, através do portal GPS Mata Atlântica. Já compartilhou a sua? Venha se inspirar!

 

 

 

 

 

 

Página 4 de 25« Primeira...23456...1020...Última »