Month: novembro 2015

Somente o dinheiro não é capaz de resolver seus problemas financeiros

POST_DEZEMBRO_06.12

Postado Originalmente em financasforever

O seu sonho é ser rico? Nós já falamos sobre isso neste post aqui, mas ter uma fonte de renda generosa todos os meses envolve também evitar problemas financeiros ao administrar seu patrimônio. Afinal, por mais dinheiro que você faça trabalhando e investindo, há sempre a necessidade de controlar gastos e saber exatamente a melhor forma de administrar o seu dinheiro. Disciplina financeira é uma habilidade que devemos adquirir com o tempo e por meio de muito planejamento, organização e controle. Quer saber como colocar isso em prática e resolver seus problemas financeiros? Confira nossas dicas:

Saiba exatamente quanto ganha e quanto gasta todo mês

Isso pode parecer uma dica sem muita originalidade, mas você se surpreenderia com o número de pessoas que gastam sem controle, muitas vezes indo bem além daquilo que recebem no mês. Para ter disciplina financeira, é preciso saber exatamente quais são seus gastos e fontes de renda. Só assim é possível ter noção exata de sua situação financeira e começar a economizar.

Guarde uma parte do dinheiro já no início do mês

E por falar em economia, nada de esperar chegar o final do mês para aplicar em seus investimentos e guardar um pouco de dinheiro. Se você deixa para poupar apenas o que sobrar, é bem provável que você não conseguirá poupar nada. Ter um colchão financeiro com o qual contar é imprescindível, por isso aproveite para fazer isso assim que recebe. Trace uma meta (por exemplo, 15% de sua renda) e invista assim que estiver com dinheiro em conta. Dessa forma, você evita a tentação de gastar esse dinheiro em outras coisas.

Priorize seus gastos para resolver de vez seus problemas financeiros

Aprenda a priorizar as contas e gastos mais importantes. Por exemplo, se você está endividado, aproveite para solucionar primeiro esse problema antes que ele vire uma bola de neve. Em vez de fazer compras desnecessárias e aumentar ainda mais suas dívidas, priorize a quitação das dívidas atuais e saia do vermelho. Quer dicas sobre como fazer isso? Confira este nosso outro postclicando aqui.

Antes de comprar, pergunte-se: “preciso mesmo disso?”

É muito comum comprarmos por impulso, mas uma rotina de vida consumista não é (e nunca será) a melhor forma de resolver seus problemas financeiros. Por mais que você tenha uma boa fonte de renda todos os meses, é preciso comprar o que você realmente precisa, deixando algumas economias para o futuro. E uma estratégia inteligente para lidar com as compras é por meio da comparação de preços. Compare, pesquise e reflita sobre suas necessidades antes de concluir uma compra. Assim, fica mais fácil administrar seus gastos.

Evite parcelar suas compras

Compras parceladas são grandes inimigas de quem está tentando resolver seus problemas financeiros. E o cartão de crédito é o mais usado nessas horas. Para evitar endividamentos desnecessários, procure comprar à vista sempre que possível, utilizando o cartão de crédito de forma mais inteligente. Quer mais dicas sobre como utilizar corretamente o cartão de crédito? Veja o nosso post aqui.

Utilize a tecnologia a seu favor

Não negligencie o que a tecnologia pode fazer por você! Esqueça as planilhas financeiras do Excel e experimente aplicativos como o Meu Dinheiro Web, por exemplo, que podem te ajudar a mapear gastos, traçar metas financeiras, identificar áreas problemáticas em suas contas pessoais, entre outras funções.

Invista em bem-estar e saúde

Investir em atividades que te trazem saúde física e mental é essencial para evitar doenças, se manter produtivo e garantir o melhor uso possível de seu patrimônio. Por essa razão, não deixe de fazer esportes e de alocar tempo e dinheiro para atividades de lazer com a família e com seus amigos. Essas são formas de se manter jovem e motivado(a) para trabalhar e ter mais qualidade de vida!

9 ideias para economizar na decoração de Natal

POST_DEZEMBRO_-4.12

Postado Originalmente em financasfemininas.uol

 

O orçamento das famílias mais apertado, em função do ano de crise, vai deixar o Natal mais magro para grande parte das famílias brasileiras. Mas isso não significa que você precisa abrir mão de uma bela decoração para a sua casa. De forma criativa e arrojada, é possível criar, sem gastar muito, objetos de decoração que vão deixar seus convidados no clima deste feriado tão especial e também impressiona-los.

Veja como criar você mesma seus objetos de decoração e comece a colocar a mão na massa!

1. Árvore de natal de livros

Está sem dinheiro para comprar uma árvore de natal novinha e bem bonita, que a sua casa merece? Hora de desentulhar os seus livros das prateleiras e empilha-los em formato de árvore. Depois é só jogar um pisca pisca em volta, uma decoração no topo e pronto! Você conseguiu um visual bonito e diferente para sua casa.

 

2. Árvore de natal de rolhas

Outros objetos que você coleciona em casa também podem ser transformados em uma bela árvore de natal. Já pensou em usar aquelas rolhas de garrafas de vinho, por exemplo?

3. Guirlanda de rolhas

E estes objetos acabam sendo base também para guirlandas. As rolhas podem funcionar também penduradas na árvore de Natal com um laço vermelho para dar o toque final.

4. Guirlanda de balas

Para uma guirlanda de balas, como a foto, ou de algum outro material que você deseja elaborar, um do seus cabides de ferro pode ser a base, depois é só usar a criatividade!

5. Pisca pisca decorado

Se você cansou daquele seu antigo pisca pisca, não precisa comprar um novo! Recicle adicionando adereços a cada lâmpada, como estas bolinhas coloridas que ganham um clima ainda mais natalino se misturadas com glitter!

6. Pisca pisca na garrafa

Deixar o pisca pisca dentro de uma garrafa bem bonita que você tem guardada em casa também não é uma má ideia!

7. Decoração no saleiro de vidro

Um simples saleiro pode ganhar ar natalino com a adição de bonequinhos que ornam com o efeito de neve que o sal dentro do vidrinho vai ganhar. Use-o na decoração da sua mesa durante a ceia!

 

8. Sorvetinhos para a árvore de Natal

Para fazer jus ao clima quente do Natal brasileiro, sua árvore de Natal pode receber pequenos sorvetinhos como decoração.

9. Porta velas em copos de vidro

Depois de vazio, lave e guarde aqueles vidrinhos de molho de tomate ou de geleia para utilizá-los no Natal como porta velas e decorar a sua mesa. Viu como uma fitinha para um laço pode fazer toda a diferença?

 

Gostou? Deixe um comentário.f

Como usar o 13º com consciência

_POST_BLOG_25-11_15
Postado Originalmente em financasfemininas.uol – Por Aldo Pessagno – 24 de novembro de 2015

 

Fim de ano já está chegando e junto dele começam a florescer alguns temas na cabeça:férias, compras de natal, viagem de réveillon, etc… E de mãos dadas com essa anarquia degastos, o conforto de contar com o 13º para financiá-los.

O parágrafo acima parece trivial e o senso comum já nos diz que esse não é visto como o caminho certo, mas, mesmo assim muitos o seguem a risca sob os mantras “Eu mereço”, “Trabalhei o ano todo para tê-lo”…

Não estou afirmando que você não mereça férias, comprar presentes de natal ou viajar. A questão é que usar o 13º salário de maneira irracional (como acima) apenas lhe trará benefícios no curtíssimo prazo (o prazer do consumo imediato), enquanto o longo prazo é constantemente sacrificado.

O 13º salário não deve ser tratado como um “presente” de fim de ano que você recebe e que por isso tem o direito de gastar onde e como bem entender. Muito pelo contrário, o 13º faz parte de sua renda, ele compõe o seu salário e deve ser tratado como qual. A única diferença é que você o recebe de uma só vez (ou em duas parcelas, mas ambas muito próximas), e não dividido mês a mês como o restante do seu salário. Tratá-lo como algo “a parte” certamente fará você se desviar da melhor decisão financeira. Mas enfim, o que devo fazer com ele, então? Preparei abaixo um pequeno roteiro para ajudá-la:

1º Passo – Quite as dívidas

Fico surpreendido quando leio algum Blog ou artigo dando conselhos às pessoas no sentido de priorizarem o consumo em detrimento do acerto de seus passivos sob os argumentos apresentados no inicio do artigo. Dívidas têm custo, e um custo alto (exorbitante em alguns casos). Elas simplesmente protelam sua independência financeira.

É estranhamente comum pessoas com dinheiro aplicado na caderneta de poupança, mantendo concomitantemente dívidas de Cartão de crédito, cheque especial, etc. A conta não fecha. Você recebe 7,5% ao ano de um lado (rendimento da poupança nos últimos 12 meses) para pagar mais de 10% ao mês do outro em casos extremos (cheque especial e rotativo do cartão de crédito). É como correr de paraquedas: você pode até chegar lá, mas vai exigir um esforço descomunal.

Portanto, minha dica é: verifique suas dívidas. O primeiro passo é saber se elas são pagáveis, ou seja, se as parcelas cabem no seu orçamento. Nesse caso, procure seus credores, renegocie suas dívidas e só então comece a usar o 13º para quitar.

 

2º Passo – Reserva para despesas do início do ano

Depois de resolvidas dívidas passadas, hora de pensar de forma prospectiva. Assim como no fim do ano há um recebimento fora do padrão mensal, ao qual os brasileiros estão acostumados, no início de ano também temos de arcar com despesas relativas ao ano todo, mas que são desembolsadas no início. Estão entre as principais: IPTU, IPVA e Material escolar (tanto para as que tem filhos como as que estudam).

Então, porque não utilizar um recebimento fora do padrão mensal para pagamento de obrigações, também fora do mesmo padrão? Saber a data de ocorrência de suas despesas para o ano todo é tão importante quanto saber sua ocorrência em si. Saiba controlar seu fluxo de caixa.

3º Passo – Reserva de emergência

Dívidas quitadas e controladas; e despesas iminentes programadas, estamos prontos para dar um passo à frente. Agora, você já tem a base para montar uma reserva de emergência. Mas o que seria isso?

Uma reserva de emergência nada mais é do que uma aplicação que você mantém para fazer frente a desembolsos inesperados de caixa. Entre os principais: problemas de saúde, sinistro de veículo e perda de emprego.

Logo, o tamanho dessa reserva dependerá muito da sua recolocação no mercado de trabalho, podendo variar na média de 6 a 12 vezes suas despesas mensais.

E onde aplicar esse dinheiro? Como se trata de uma reserva de EMERGÊNCIA, a liquidez é fundamental, ou seja, esse dinheiro precisa estar sempre à mão, pois emergências são, por natureza, imprevisíveis. Logo, um Fundo DI com baixas taxas de administração (menos de 1% ao ano) ou CDBs com liquidez diária são recomendados.

 

4º Passo – Inicie os investimentos/Aposentadoria

Quitou as dívidas, programou-se para o que está por vir e já tem sua reserva de emergência estabelecida?  Agora posso gastar meu 13º com a consciência limpa? Ainda não!

Os três passos anteriores na verdade servem a diversos objetivos maiores. Mas gostaria de destacar um deles em especial: sua aposentadoria. Nós apenas criamos as bases necessárias para que o plano de aposentadoria fosse implementado. Sem os itens anteriores, o 4º passo já estaria fadado ao fracasso antes mesmo de ser concluído.

Logo, minha sugestão é que você procure o quanto antes um profissional da área para auxiliá-la em um plano de aposentaria. Um profissional competente certamente irá ajudá-la a ter uma aposentadoria digna e tranquila de acordo com seu padrão de vida.

Quer um presente melhor para você mesmo do que poder contar com uma maturidade tranquila?

Você deve estar se perguntando, se esse presente é tão bom assim, porque tão pouca adesão? Simples, pois se trata de um presente em que você paga antecipadamente por mais de 20 anos e só começa a desfrutá-lo depois desse período. Ao passo que comprar algum bem, ou fazer uma viagem o presente é desfrutado no mesmo momento, proporcionando o prazer imediato do consumo.

5º Passo – Pague a viagem de fim de ano!

Finalmente, depois de todas essas etapas superadas, você poderá gozar de seu 13º sem culpa alguma. Com o dinheiro em mãos, negociar uma viagem ou algum bem de seu interesse fica bem mais fácil. Fique sempre atenta aos seus programas de milhagens, pois condições bem interessantes podem aparecer no caminho.

Acredite, não há nada melhor do que curtir uma viagem sabendo que já está tudo pago e que não haverá nenhuma parcela depois disso. Fora isso, a viagem vai ter outro sabor, já que você cumpriu todos os passos anteriores de suas obrigações financeiras, limpando sua consciência. Em outras palavras, a mesma será vista como um prêmio pela sua disciplina financeira, e não como uma ilha de satisfação em meio a um oceano de descontrole financeiro. Disciplina é fundamental.

Em suma, seguindo esses passos, acredito que você estará fazendo o uso consciente do 13º salário. O caminho é difícil e exige uma dose de sacrifício da sua parte. Dependendo do caso, a situação pode ser tão crítica, a ponto de levar alguns anos até se chegar no ultimo passo, que pode acabar desestimulando a disciplina. Para evitar isso, que certamente seria a pior decisão (o abandono completo do plano), proponho um meio termo: ao invés de usar 100% de seu 13º salário para seguir o roteiro acima, use, digamos, 70% e destine os outros 30% para viajar, descansar ou fazer compras. Financeiramente pode não ser a decisão ideal, mas sabemos que, assim como ocorre com dietas radicais, quando um plano financeiro é muito rígido, a chance de desistência é alta. E não é isso que queremos.

6 dicas para conviver com a alta da inflação

POST_NOVEMBRO_17.11

Postado Originalmente em finançasforever

Estamos vivendo em um cenário de economia instável e a inflação, devido a vários fatores, está em crescimento. Além do alarmado aumento da gasolina, a energia elétrica, a tarifa de ônibus e a cotação do dólar também subiram. Com a alta da inflação, os preços aumentam e quem paga a conta é, literalmente, o consumidor final, que vê seu dinheiro cada vez mais desvalorizado e com poder de compra cada vez menor.

Como fazer para amenizar esta situação? A melhor saída é rever seus gastos, mudar seus hábitos e cortar custos. Listamos algumas dicas pra você aprender a conviver com a alta da inflação, confira:

Mudança de hábitos

Este é o primeiro passo para atravessar os tempos de crise de maneira mais tranquila. Mude os hábitos, reveja seus gastos e veja o que é realmente importante a ser adquirido. Avalie a real necessidade e analise se comprar aquele item ou serviço que você deseja pode ser adiado e, se for possível, faça isso.

Pesquisa de preços

Se o produto a ser consumido é o mesmo, pesquise o preço dele em vários fornecedores. Fornecedores que possuem maior volume de compra podem oferecer preços menores, e fornecedores que possuem grande número do produto em estoque podem oferecer promoções.

Teste novas marcas

Se você está acostumada com uma determinada marca mas existem outras marcas que oferecem o mesmo produto por um preço menor, é hora de experimentar. Aproveite o momento para conhecer novas marcas e você verá a diferença no seu bolso.

Controle os gastos

Ter controle e conhecer bem sua situação financeira é a melhor maneira de encontrar boas soluções para poupar. Saiba exatamente quais são os seus gastos fixos e tenha uma média dos variáveis. Uma boa tática é anotar seus gastos diários, desta forma ficará mais fácil saber o que é essencial e o que é supérfluo, o que pode ser cortado ou ficar em suspenso por um tempo. Você pode fazer isto de maneira fácil utilizando um gerenciador financeiro. Clique aqui e saiba mais.

Mão na massa

Algumas atitudes práticas no dia a dia podem ser muito eficientes na hora de cortar os gastos. Veja abaixo:

Apague as luzes

A energia elétrica está cada vez mais alta e, por isso, economizar é essencial para evitar gastos desnecessários. Acendeu a luz da sala e vai pra outro cômodo? Apague a luz, mesmo que você vá voltar para sala em poucos instantes. Não deixe a televisão ligada para as paredes enquanto você fala no telefone, desligue o computador quando não estiver usando e lembre-se de retirar carregadores de bateria das tomadas.

Dispense a faxineira

Avalie se é mesmo preciso ter faxineiras ou diaristas em sua casa. Se possível, reduza o número de vezes que ela trabalha em sua casa e faça você mesmo uma boa faxina. Se você não tem tempo para uma limpeza geral, organize-se para não deixar a bagunça e a sujeira acumularem. Se sujou, limpe, se tirou do lugar, guarde. Com essa mudança simples você já economizará bastante.

Seja você o mestre cuca

Os amantes de uma boa gastronomia adoram conhecer bons restaurantes e chefs renomados, mas tudo isso tem um preço — bem alto, na maioria das vezes. Sair sempre para comer em bons restaurantes pode contribuir pra te deixar no vermelho no final do mês.

Que tal deixar os restaurantes de lado e aprender a cozinhar? Reunir os amigos para compartilhar um prato feito por você pode ser uma experiência muito agradável, além de ser bem econômica! Cozinhar em casa fica muito mais em conta do que comer fora, além de ser uma atividade divertida e prazerosa.

Pechinche quando der

Todo produtor conhece a margem de lucro de cada produto que comercializa. Da mesma forma, ele também sabe até que ponto pode e se é possível abaixar o preço. Pechinche sempre que for possível. Peça descontos, avalie a forma de pagamento e veja seu planejamento. Não é vergonha nenhuma pedir descontos e você pode se surpreender e conseguir um preço melhor do que o anunciado.

Cortar gastos, mudar os hábitos e pesquisar preços são as melhores maneiras de driblar a inflação e manter as finanças saudáveis no final de cada mês.

E você, o que tem feito para economizar e conviver com a alta inflação? Compartilhe suas dicas nos comentários!