Month: agosto 2015

Cartões Pré-Pagos valem a pena?

_POST_BLOG_01_09_15

Blog Acesso – Texto e Ilustração: Gretha Bevilacqua

 

Se você é uma daquelas pessoas que acaba gastando mais do que tinha planejado e não consegue pagar o valor total da fatura do cartão no fim do mês, agora você pode usar nosso cartão Pré – Pago Acesso.Nossos cartões podem ser adquiridos por R$ 14,90 em grandes lojas, supermercados e pela internet. E o melhor, não precisa ter conta corrente em banco para ter seu AcessoCard Internacional, basta carregar o valor desejado, e não se preocupar em ultrapassar do limite. A recarga também pode ser feita pela internet, com pagamento por boleto bancário.

 

Veja 6 vantagens de porque ter um cartão pré-pago.

 

  • INTERNET – Quem tem medo de colocar os dados do cartão pela internet, o cartão pré-pago é mais seguro. O consumidor pode carregar apenas o valor que deseja para a compra, evitando o risco dos dados serem clonados ou seu dinheiro ser usado por outros.

 

  • MESADA – O cartão pré-pago pode ser usado como instrumento de educação financeira, servindo por exemplo, para depósito de mesada dos filhos. O valor é controlado pelos pais, que podem carregar todo o mês e ensinar seu filho a ter controle dos gastos.

 

  • SERVIÇOS – Empregadas domésticas que ficam responsáveis pela ordem da casa, podem fazer compras no supermercado e também receber seu salário pelo cartão pré-pago, ao invés de dinheiro em espécie.

 

  • SALÁRIOS – Pessoas que não tem conta em banco ou estão com o nome sujo no SERASA, podem receber o salário no  cartão pré-pago.

 

  • COMPRAS – Os pré-pagos podem ser usados no também no varejo .Quando o saldo acabar, nada mais poderá ser gasto, porque o cliente não tem limite de credito atrelado ao produto.

 

  • CONTAS – Pagamentos de contas do dia a dia, como energia, telefone e agua, também podem ser feitos com cartões pré-pagos pela internet.

 

Cresce a adesão aos cartões pré pagos no abc paulista

_POST_BLOG_27-08_15

 

Postado Originalmente por jornaltemporeal

Em momento de incerteza na economia, moradores da região encontram alternativa para controle dos gastos

Em meio à crise econômica do país, os cartões pré-pagos ganham cada vez mais adeptos no Grande ABC Paulista. Segundo a Acesso, maior empresa brasileira independente de cartões pré-pagos do país, a região do tem um enorme potencial de crescimento do mercado pré-pago – em 2014, a empresa registrou 15% de crescimento em cartões ativos na região. Diante de um quadro de instabilidade na economia, o brasileiro sofre com a restrição de crédito por parte das instituições financeiras e busca alternativas para consumir e, ao mesmo tempo, evitar dívidas. De acordo com Flávia Deutsch, diretora Comercial, Produtos e Marketing da Acesso, sem necessidade e análise de crédito, o pré-pago se torna uma opção ideal para o momento econômico do Brasil. Além disso, o pré-pago pode ser uma medida preventiva para quem não quer se endividar, pois funciona como uma forma eficaz de controle dos gastos – com o pré-pago, o usuário só gasta o que tem, ou seja, nunca fica negativado.

De acordo com dados de uma pesquisa sobre a recuperação de crédito no Brasil, encomendada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pelo Portal de Educação Financeira Meu Bolso Feliz, o perfil médio do consumidor brasileiro inadimplente é o de uma pessoa com o nome sujo há aproximadamente dois anos, que deve para 3,7 diferentes empresas, que adquiriu essas dívidas por meio do cartão de crédito e de lojas e tem um débito total de R$ 21.676,00 junto às empresas credoras. Para essa população, com nome sujo e dificuldade para conseguir crédito, existe a possibilidade de cartão de débito pré-pago que além de garantir a segurança de um cartão, oferece as comodidades deste.

 

A opção pré-paga funciona como um celular. É só adquirir um cartão e o carregar com o saldo que for conveniente para o usuário. Com o cartão carregado, o consumidor pode realizar compras, pagar contas, entre outros. O cartão pré-pago possibilita a qualquer pessoa ter um meio eletrônico de pagamento, independente de possuir ou não conta corrente, comprovação de renda, restrições de crédito e outros requisitos. “Isto significa passar a poder fazer compras pela internet, enviar ou receber depósitos de outras pessoas, sacar em caixas eletrônicos e aproveitar as promoções da bandeira de aceitação, sem falar na facilidade, conveniência e segurança que o instrumento proporciona”, explica Flávia Deutsch.

 

O mercado de cartões pré-pagos está crescendo no Brasil. Calcula-se que, entre 2015 e 2017, o segmento movimente US$ 18 bilhões no país. O volume seria então nove vezes maior que os atuais US$ 2 bilhões, gastos – principalmente – com viagens e no pagamento de refeições. Os dados são de um levantamento realizado pela MasterCard em parceria com a Boston Consulting Group. Especificamente no Grande ABC Paulista, o crescimento em número de cartões ativos da Acesso, segundo Flávia Deutsch, também se deve ao grande número de  pequenos empresários e lojistas da região. Esse público tem uma demanda crescente, pois sofre muito com os juros dos bancos.

Hoje, esses cartões podem ser adquiridos pela internet ou em grandes varejistas, lojas de conveniência e lojas de entretenimento. Segundo Deutsch, a opção de colocar o cartão nos grandes varejistas é facilitar a chegada deste às mãos dos milhares de consumidores que passam diariamente por esses locais, facilitando e incluindo social e economicamente muitos brasileiros.

Conheça a associação sem fins lucrativos que vende orgânicos pelo preço do produtor em SP

_POST_BLOG_25-08_15

Ao fazermos um prato com salada ou legumes, sempre temos a impressão de estarmos sendo saudáveis. Mas pouca caloria nem sempre quer dizer saúde, principalmente quando entra em jogo a quantidade absurda de agrotóxicos utilizados nas plantações brasileiras. Aqui no Hypeness nós já falamos sobre os problemas dos agrotóxicos nesta matéria especial – acesse aqui. Contudo, sabemos que a maior barreira para a popularização de alimentos realmente saudáveis é o preço: afinal, orgânicos costumam ser muito mais caros.

Na região da Vila Madalena, em São Paulo (SP), o Instituto Chão quer ajudar a promover a cultura de orgânicos ao comercializá-los sem visar lucros, vendendo a varejo pelo mesmo preço que lhes é feito pelo produtor. Dessa forma, um pé de alface orgânico que pode custar até R$ 4 em um supermercado ou hortifruti, por lá é comercializado por até R$ 2.

O Instituto Chão é uma associação sem fins lucrativos que é construída colaborativamente – para a inauguração e compra do primeiro lote de orgânicos, por exemplo, o grupo fez um projeto de financiamento coletivo. Além de frutas, legumes e verduras, a associação oferece uma série de chocolates, patês, queijos, mel, farinha, óleos e bebidas, além de um café, que serve lanches e bebidas – todos orgânicos.

Vem conhecer:

Todas as fotos © Instituto Chão